quinta-feira, 24 de abril de 2014

O Segredo dos Urim & Tumim & as Pedras do Peitoral



Entre as vestes do Sumo Sacerdote, o peitoral e os Urim e Tumim eram talvez o mais enigmáticos. O peitoral era um brocado padronizado feito a partir de fios de ouro , azul, vermelho e vermelho de lã e linho fino torcido. Ele foi criado com quatro fileiras de pedras preciosas montadas em cenários de ouro - doze no total. Os nomes das doze tribos foram gravados codificados nas pedras - um em cada pedra - , bem como os nomes dos patriarcas, Abraão, Isaac e Jacob . 

Urim & Tumim
Ana Be'Koach & os &2 Nomes

De acordo com o Zohar, os Urim e Tumim eram as Quarenta e Duas Letras e os Setenta e Dois Nomes de D'us colocados nas dobras do peitoral que faziam com que as letras gravadas nas pedras acendessem em seqüência, com a finalidade de explicitar uma resposta à uma pergunta feita pelo Sumo Sacerdote.

"Coloque o Urim eo Tumim no peitoral do juízo e serão sobre o coração de Arão, quando vem antes de D'us. (Ex. 28:30)".

No Zôhar, o rabino Yehuda revelou : O significado da palavra "Urim (הָאוּרִים)" foi explicado como derivando de "meirim" que significa "iluminar" - uma vez que iluminava as letras gravadas nas pedras do peitoral . Este é o segredo místico de "a lente que brilha".

A sefirá Malchut na Árvore das Vidas é chamada de "a lente que não brilha", uma vez que ela não tem a sua própria iluminação mas deriva sua luz de Zeir Anpin (A face Luminosa).

O termo aramaico para "a lente que brilha" é " aspaklarya meira". O termo "aspaklarya" foi traduzido como vidro, espelho, espéculo, telescópio etc. O significado básico é que ela (a lente) é o meio pelo qual a Inspiração Divina está focada e é manifestada, e esta pode ser a origem da "bola de cristal" falada em muitas fábulas. O comentário Mikdash Melech relaciona esta ao cluster (aglomerado estelar) do sefirot chamado Zeir Anpin (a Face Luminosa), formado pelos seis sefirot chessed, guevurá, tiféret, netzach, hód e yesód que são iluminados pelo Nome de Quarenta e Duas Letras.



Esta " lente que brilha" é formada pelas Oti'Ót (Letras) do Santo Nome de Quarenta e Duas Letras ali a nas dobras do peitoral, através do qual foram criados os mundos.

O Tumim é o segredo místico das letras incluídas no "a lente que não brilha (aspaklarya sh'eina meira)", ou seja, a sefira Malchut que é iluminada pelos Setenta e Dois Nomes de D'us conhecido secretamente como "O Nome de 216 Letras"  gravado no peitoral e seu poder de iluminar as outras letras que foram gravadas nas pedras do peitoral.

Malchut é chamado de "a lente que não brilha", uma vez que ela não tem a sua própria iluminação. Em vez disso, recebe toda a sua iluminação de Zeir Anpin. Assim, os dois são comparados ao sol, fonte de luz e a lua, que não tem luz própria. No entanto, malchut é iluminada pelo mais nobre dos Nomes Divinos, o Shem ha'Meforash, que tem a sua fonte na sefirá Chochma (Sabedoria), que é o segredo esotérico de "O pai (chochmá)  cria a filha (malchut0)". Eles são o segredo místico do Santo Nome e que unidos são chamados de "Urim e Tumim".

Venha e veja: quando essas letras desses dois Nomes Sagrados foram apresentada lá nas dobras do peitoral seu poder de iluminar as outras letras que foram gravadas sobre as pedras do peitoral, ou seja, as Letras dos Nomes das Doze Tribos (ver Talmude Yoma 73b), iluminando algumas e deixando outras apagadas.

E, assim, o Sumo Sacerdote era capaz de encontrar a resposta adequada para sua pergunta e agir em conformidade. Ele poderia saber até mesmo se algum estava relatando algo com verdade ou não. Esta ferramenta esotérica era o verdadeiro "detector de mentiras".

Retirado do  Zohar II , p. 234b ; co comentários de Moshe Miller e traduzido para português com outros comentários por Deepak Sankara (Artesão da Luz).

Notas de Rodapé
1. Mikdash Meleque, Matok MiDevash , Ziv haZohar


Compre aqui o livro 'Os 72 Nomes de Deus'