domingo, 27 de março de 2011

O Segredo Dos Sonhos

O Zohar diz: “Rabino Chiya discute os sonhos como uma forma de revelação divina. Situado abaixo de Profecia e Visão na hierarquia de experiências de revelação, sonhos incluem uma mistura de verdade e mentira, e servem como uma advertência ao sonhador. Uma vez determinado, a interpretação de um sonho pode influenciar seu significado e seu cumprimento. De acordo com Rabino Shimon, a consciência do sonhador e interpretação não são necessárias para o seu cumprimento. A interpretação do sonho de Yosef pelos irmãos dele, foi meio pelo qual eles determinaram o destino deles, nos adverte não relatar os nossos sonhos muito depressa ou os compartilhar com esses que não são os amigos”.

"E Yosef sonhou um sonho" (Beresheet 37:5). Rabino Chiya abriu a discussão com o verso: "E ele disse, 'Ouça minhas palavras agora: Se há um profeta entre vocês, eu, Hashem, me faço conhecido para ele em uma visão, e fala com ele em um sonho (Bamidbar 12:6). Venha e veja: são nutridos os profetas no mundo de um aspecto, de dois graus conhecidos, NETZACH E HOD que são vistos dentro do espelho (Heb. mar'ah). Ele continuou com o verso: "Em um sonho, em uma visão da noite, quando sono profundo cai sobre os homens, dormindo em suas camas, é que então Ele (Hashem) abre as orelhas dos homens, e com palavras de disciplina e instrução (Iyov 33:15-16)”.
Então “dormindo na cama, Ele abre as orelhas de homens”. Assim, o Santo, santificado seja Ele, revela à alma pelo grau de sonhos, ISTO É O ANJO GAVRIEL, o que acontecerá no mundo no futuro.

Tudo o que acontece no mundo depende de um sonho ou uma proclamação antes que se torne realidade. Nós aprendemos que antes de qualquer assunto entrar no mundo físico9Olam Assiá), uma proclamação ressoa nos céus, donde é esparramado ao longo do mundo. É terminado por um leiloeiro, como é escrito: "Seguramente Hashem Eloqim não fará nada sem revelar o segredo dele aos criados dele os profetas (Amos 3:7)”. Isto era quando havia os profetas no mundo. Depois que os profetas se foram, os sábios fizeram este papel, e agora que não há mais os sábios, o futuro é anunciado por um sonho e se não por um sonho, pelos pássaros nos céus, como já foi explicado.


quinta-feira, 24 de março de 2011

Mistérios Perfeitos - Segredos Do Zodíaco



Com o "ressurgimento" na roda zodiacal do Signo da Serpente, as coisas mudam e agora mistérios antes escondidos são percebidos pelos olhos daqueles que por eles buscam. Eu até ontem acreditava ser de Gêmeos, mas agora sei o que o meu rim direito vinha tentando me ensinar há 20 anos: Eu sou de Touro e fui concebido sob o signo de Leão.

Há vinte anos eu tive a minha primeira crise renal. De acordo com o Sefer Yetzirá, o Signo de Touro foi criado pela letra hebraica "Vav (ו)" - a sexta do alfabeto. Touro é regido por "Pei (פ)" que criou Vénus e por "Vav (ו)" que criou Touro.

O Perfeito Mistério

Em hebraico Signo de Touro é מזל שור "Mazal Shor" e o valor das letras que o compõe é 583, e aqui reside o primeiro mistério. O período orbital do planeta Vénus que rege Touro é 583,92 dias. 

Em 2001, eu fui ordenado Rabi e passei a ser conhecido como "Rav Misha´El (Rabino Misha´El)" que em hebraico é רב מישאל e cujo valor das letras que formam meu nome e título é 583. Neste mesmo ano de 2001, eu consegui a primeira casa para a nossa Qehilá (Comunidade), a casa para qual eu estava destinado, pois ela fica no número 583.

Esta casa no número 583 eu a aluguei no mês de Iyar que está debaixo da influência do Signo de Touro e novamente sob o número 583.

Eu sou o guilgul (reencarnação) de um judeu que morreu em Auschwitz Birkenau em 1944. Seu nome era "Misha´El Helman". Em hebraico "Destino Misha´El Helman" é מזל מישאל הלמן e o seu valor é 583. Em Auschwitz havia o temido "Bloco 11" que foi onde a primeira experiência com o Gás da Morte - O Zikulon B fora realizada. Onze em hebraico é אחד עשר - Echad Ésser e o seu valor calculado através da gematria é 583.

Tudo muito impressionante e sem acaso algum. Um mistério perfeito criado pelo Sagrado, bendito seja Ele. E tem mais:

Em 2003 eu passei pela maior restrição da minha vida e também fora o ano da minha Brit Milá (Circuncisão). Este ano foi correspondente no Luach Hebreu (Calendário Hebraico) 5.763, ano sob a influência de Touro e Escorpião.

Isto tudo constitui apenas parte do mistério. A outra parte está no Signo de Leão, influência sob a qual fui concebido. Mas este, é um outro conto...

quarta-feira, 23 de março de 2011

E Jesus Era Casado...

O Artigo a seguir faz parte de uma investigação particular e não possui intenção de constranger ou agredir qualquer crença ou religião. Como cabalista, investigo os mistérios, e não sou dogmático.


            
           Nem Dan Brown esperava por esta, e nem mesmo encontrou evidências de que Jesus fora mesmo casado com Miriam de Magdala.
            Antes de revelar as evidências deste tão procurado segredo, vamos conhecer um pouco sobre o casamento na tradição dos antigos hebreus.

            O Talmude, ao ser redigido, codificou os hábitos que haviam sido estabelecidos ao longo das gerações. A lei talmúdica estabelece que quando um homem e uma mulher decidem casar-se, ele precisa dizer-lhe que ela passa a ser sua esposa. Ela, por sua vez, deve aceitar de livre e espontânea vontade. Tal ato deve ser realizado diante de duas testemunhas válidas, mediante uma das formas aceitas pelo judaísmo para se contrair matrimônio, entre as quais, a entrega simbólica de uma soma em dinheiro, uma garantia escrita ou através do Kidushei Biá, ou Matrimônio por Cohabitação (relação sexual). Neste último caso, a cerimônia terminava com a mulher entrando na tenda do marido, ato que marcava o início de uma vida em comum. As duas últimas formas de contratar casamento não são mais usadas.

Na época talmúdica o casamento era feito em duas etapas. A primeira era a promessa ou "noivado" - em hebraico, erussin ou kidushin. Era de fato um compromisso moral, que podia ser revogado por uma das partes. Possuía praticamente a validade do matrimônio, mas não concedia direitos aos envolvidos. Era também chamado de kidushin (consagração ou dedicação) pois era, de fato, quando a noiva era "prometida" ao noivo.

No ato do noivado, o homem entregava à futura esposa um presente cujo valor devia ser maior do que uma moeda. A partir do século VII o presente foi substituído por um anel sem pedras preciosas. Este era colocado pelo noivo no dedo indicador direito da noiva, depois da prece recitada por um oficiante, dizendo: "Harei at mekudeshet li, betabaat zu kedat Moshe ve-Israel" (Eis que me és consagrada por esse anel, segundo a lei de Moisés e Israel). Ao colocar o anel no dedo da noiva, o rapaz efetivava seu vínculo com ela.

Algum tempo após o noivado, a cerimônia de casamento, propriamente dita, em hebraico nissuin, era oficiada sob a chupá, na presença de duas testemunhas competentes com a recitação das sete bênçãos tradicionais - Sheva Brachot. A cerimônia era realizada sob a chupá, o pálio nupcial, simbolizando o lar do novo casal e "cobrindo" ou protegendo-o nesta fase abençoada e sagrada de sua vida. Este "lar" simbólico, a chupá, é o que permite que a cerimônia seja realizada em qualquer lugar.

(O artigo foi extraído do site da Revista Morashá: http://www.morasha.com.br/conteudo/artigos/artigos_view.asp?a=123&p=2)

A Noiva de Jesus

No capítulo dois do evangelho de João, nós encontramos a narrativa do que ficou conhecido como o primeiro milagre de Jesus de Nazaré: As Bodas de Cana da Galiléia.

Eis o verso: “Três dias depois, houve um casamento em Cana da Galiléia, achando-se ali a mãe de Jesus”.

Como tudo mais na bíblia traduzida para vários idiomas pelos padres tradutores, este verso também foi manipulado na sua tradição para esconder a verdade e ajudar na criação do “Mito Jesus”.

O passuq (verso) traduzido para o hebraico, uma vez que o original estava em aramaico, não diz o que lemos acima. Eis o verso hebraico:
“U´va´iom há´shilishí haytá chatuná be´Qaná asher ba´Galil ve´ima Yeshua haytá sham (Shorat Iochanan pereq 2, 1º passuq)”.

A tradução correta deste verso seria: “E no terceiro dia, havia uma noiva em Qaná da Galiléia, e a mãe de Jesus estava ali”.
O termo que foi traduzido para casamento em todas as bíblias neste verso é “Chatuná” que é o feminino de “Chatan” que significa “Noivo”. Não existe aqui o termo “Nissui (Casamento)” e nem mesmo “Qidushin” amplamente usados na antiguidade e no Talmude.

Grande parte do mistério aqui reside no fato de que, Qaná era próxima de Magdala, cidade de origem de “Maria Madalena (Madalena vem de Magdala)”. Outra pergunta interessante é o por que a mãe de Jesus estava ali, na casa da noiva?
Outro mistério reside no fato de que os nomes tanto da noiva como do noivo não são mencionados, e isto é muito estranho, uma vez que qualquer biografo mencionaria os nomes dos participantes da sua obra biográfica. Por que João não o fez? Ou será que fez? E os tradutores, a fim de ocultar a verdade, retiraram os nomes durante a tradução?

O Vinho

“Tendo acabado o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Eles não tem mais vinho (Shurat Yochanan 2: 3)”.

O termo para vinho no hebraico é “Yain” cujo valor numérico das letras hebraicas que o compõe é 70. Em qabalá, sabemos da importância deste valor numérico, porque ele é o mesmo da palavra “Sód” que significa “Mistério/segredo”. De fato, o milagre da água transformada em vinho alude a um mistério, um segredo: A identidade do noivo.

Ora, o que tinha a mãe de Jesus haver com um dos principais ingredientes da cerimônia de “Qidushin”? Seria ela, porventura, a mãe do noivo? Um vez que deveriam ser os parentes do noivo os encarregados deste ingrediente primordial.
O fato da mãe de Jesus estar na casa da noiva, na cidade de Qaná, que era próxima a cidade de Magdala, e avisar a ele que o vinho havia acabado, constitui uma evidencia de que o próprio Jesus era o noivo e era este o seu Qidushin, a sua cerimônia de casamento, razão do porque sua mãe já se encontrava na residência da noiva, ou no local onde a chupa fora armada.
A evidencia disto está na resposta que Jesus da à sua mãe: “Mulher, o que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora (Yochanan 2:4)”. Além de ser uma resposta mau criada dada de um filho para sua mãe, o que fica evidente é o que Jesus diz “...ainda não é chegada a minha hora”, e a pergunta é “que hora?” A resposta é simples: A hora da cerimônia, do casamento, das “Shevá Brachot” serem recitadas, da noiva dar sete voltas ao redor do noivo.

O que eu estranho aqui é que, o realizador da cerimônia, ou seja, o rabino que conduziria o Qidushin, sequer é mencionado. Uma biografia cheia de falhas.

Evidencias

1.      Qaná (Cana) da Galiléia era próxima da Aldeia de Magdala, acaso?
2.      É usado o termo “chatuná (noiva)” o feminino de “Chatan (noivo)”, acaso novamente?
3.      A noiva eram Miriam de Magdala (Maria Madalena), razão do porque o casamento fora em Qaná da Galiléia que era próxima de Maglada, e ambas eram próximas de Nazaré, acaso?
4.      A identidade do noivo é evidenciada, revelada, quando Miriam, a mãe, vem ao noivo Jesus e o comunica que o vinho havia acabado.

O Mistério Das Talhas de Pedra

            “E estavam ali, seis talhas de pedra... (Shurat Yochan 2:6)”. É interessante notar que o numero de talhas não fora cinco, ou sete, mais seis, e isto é importante. Na estrutura metafísica da Etz Há´Chaiim (A Árvore das Vidas), o mundo superior, o partzuf de Zeir Anpin (A pequena face) é composto pelas seis sefirot de chessed, guevurá, tiféret, netzach, hód e yesod, e que também é chamado pelo nome código de “chatan (noivo)”, enquanto malchut, a sétima sefirá, é chamada de “calá ou chatuná (ambas palavras significam noiva)”.
            Com este achado, encontramos, mais uma vez, evidencia de que Jesus era o noivo, o encarregado de fornecer o vinho para os convidados da sua própria cerimônia de Qidushin.

            Por que será que Dan Brown, autor de Da Vince Code, não viu isto? Uma vez que, até mesmo teologia ele estudou.

            E Jesus era casado...

terça-feira, 22 de março de 2011

Adam & Marte



“E formou o Eterno D´us a Adão do pó de Adamá, e soprou em suas narinas “neshamá de vidas”, e foi Adão alma viva”


וַיִּיצֶר יְהוָה אֱלֹהִים אֶת-הָאָדָם, עָפָר מִן-הָאֲדָמָה, וַיִּפַּח בְּאַפָּיו, נִשְׁמַת חַיִּים; וַיְהִי הָאָדָם, לְנֶפֶשׁ חַיָּה
Gênesis 2:7

Segundo a Sabedoria dos Ethanim (Os Antigos), existem sete universos e sete terras (mundos), que correspondem as sete sefirot da Árvore das Vidas, aos sete dias da semana, aos sete planetas principais do sistema solar, etc. São eles[1]:

Universo
Céus
Terras
Sefirá
Dia
Planeta
7
Qodesh
Vilon
Erets
Chessed
Domingo
Júpiter
6
Ratson
Rakia
Adamá
Guevurá
Segunda
Marte
5
Ahavá
Shechakim
Arqa
Tiféret
Terça
Sol
4
Zechut
Zevul
Charva
Netzach
Quarta
Venus
3
Noga
Maón
Iabasha
Hod
Quinta
Mercúrio
2
Etsem
Machon
Tevel
Iesód
Sexta
Lua
1
Livnat
Arvot
Chalad
Malchut
Sábado
Terra


De acordo com a tabela acima, Adamá, a terra de onde D´us formou Adão, corresponde ao universo de Ratson (desejo), ao céu de Rakia (separação), à sefirá de Guevurá, à segunda-feira e ao planeta Marte. Adamá também está ligado ao Har Moriá (Monte Moriá) de onde, segundo a Qabalá, teria sido tirado o pó de onde Adam foi formado. O Monte Moriá também foi o local onde o Patriarca Yitzchaq sofreu a “Akedá (atamento)”. Seria este "Har Moriá" o terrestre ou outro encontrado no planeta Marte?

Teria Adam sido criado da poeira de Marte? Uma vez que, Marte em hebraico é “Ma´adim” que vem da raiz “din (juízo) e dam (sangue)” e é por esta razão chamado de planeta vermelho, enquanto Adão vem da raiz da palavra Edom e que também significa vermelho? Seria esta a razão secreta de porque a humanidade (Adão) deseja descobrir os mistérios de Marte, e assim colonizá-lo (ou recolonizá-lo)? Teria o nosso ADN origem em tão longínquo mundo?

Ainda assim, há uma “aparente falha” nesta minha tese, que é evidenciada na narrativa da Toráh (Instrução) que diz que Adão fora criado no sexto dia (sexta-feira cósmica), 15.340.500.000 anos após o inicio da sexta expansão.

Se entendermos que Adão foi criado sim no sexto dia, de acordo com a narrativa do “Livro da Instrução (Torah)” e da poeira de Marte, então a “aparente falha” desaparecerá, e ficaremos com a certeza do porque a humanidade “deseja Marte”.

No hebraico existem alguns métodos de permutações de letras que nos ajudam a decodificar estes fabulosos códigos. Antes de tudo, vou demonstrar algo interessante:

O termo para "criança" em hebraico é "Yeled (ילד)" cujo valor das letras hebraicas que o formam somam "44 (Y10+L30+D4=44)". O termo para "Pai (אב)" é "Av" e resulta em "3", enquanto o termo para "Mãe (אמ)" é "IMA" e seu resultado é 41.

Quando somamos "PAI (אב)+MÃE (אמ)" encontramos "44" que é "YELED (ילד)", ou seja, "PAI+MÃE=CRIANÇA".

O Termo hebreu para "SANGUE" é "DAM" e seu valor é exatamente "44". Agora, tomando o termo hebreu "AVIR (VENTO/SOPRO/AR/ATMOSFERA אויר)" e acrescentando apenas a primeira letra de "AVIR (א)" cujo valor é "1" ao termo "DAM (SANGUE)" o resultado será "45", e este por sua vez é o exato valor numérico de "ADAM (A1+D4+M40=45), e אדם=דם+א (Adam)

Mudando apenas uma letra de ADAM (ם) para o ן teremos "ADN (אדן)" ou no inglês "DNA". Marte em hebraico é "MA´ADIM" cuja raiz vem do termo "DAM (SANGUE)".

"É POSSIVEL QUE NOSSO "ADN" TENHA VINDO DE UM MUNDO TÃO DISTANTE, DE MARTE? Fica aqui lançado o desafio e que o responda aquele que possuir argumentos.


É certo que Adão viajou e residiu em muitos mundos nestes sete universos, e conforme o Zohar revela, Adão gerou filhos em todos estes universos, e então, outra pergunta surge aqui: Quem serão aqueles que nos visitam? Me parece que Adão foi o primeiro astronauta a pisar em mundos alienigenas e não Neil Armstrong, e sendo assim, creio que Adão faz parte do que hoje é chamado de "Acient Alien Theory - A Teoria do Astronauta Antigo".


Pirâmides Em Marte?

O Zohar nos revela que Adão residiu por um tempo no Universo de Razton cujos Céus chamam-se Raqiá e a terra Adamá, e que gerou filhos lá também. Fotos da Sonda Viking 1 tiradas em 25 de Julho de 1976, revelaram estranhos montes de forma pirâmidal, e uma delas relevou o que é chamado de "A Face". Mesmo que hoje, a astronomia diga que o "Rosto" é o resultado de sombras, não evidencia que ele não tenha sido construído por seres que tenham vivido em Marte, e que, talvez, tenha sido projetado para criar esta ilusão como um código, uma mensagem de que, talvez, um dia Marte tenha sido habitado.

Estudando sobre isto, resolvi procurar no Tana´k (Bíblia Hebraica) por um código que revela-se algo sobre tais estruturas pirâmidais edificadas em solo marciano, e o que eu encontrei deixou-me literalmente assombrado. 


Clique na imagem para aumentá-la

No código acima, que encontra-se escondido nos Livros de Devarei ha"Iamim I & II (Crônicas), o termo central (palavra chave) é "Pirâmide (vertical em vermelho)". Ao lado dela surge "Maadim (horizontal em rosa)" que é Marte em hebraico. Conectado com Marte em estreita proximidade esta a frase "Yedaat b´ney ha"Adam (horizontal em verde)" que significa  "Conhecimento dos filhos de Adão". Cruzando "Pirâmide" está a frase "Al Faney ha" Adamá (horizontal em azul)" que é "Sob a face de Adamá". Hora, sabemos que Adamá é Marte. O nome do planeta vermelho surge uma segunda vez abaixo de Pirâmide (horizontal em rosa).

Outra Evidência

Cada passuq (verso) das Kituvei ha"Qodesh (Escrituras Sagradas)" possui 70 mistérios escondidos. No Livro de Dani'El há um destes enigmáticos versos. Ele diz: 

"E muitos dos que repousam no "pó de Adamá" serão despertados, alguns para vida eterna de méritos, e outros para opróbrio eterno (Dani'El 12:2)".

וְרַבִּים, מִיְּשֵׁנֵי אַדְמַת-עָפָר יָקִיצוּ; אֵלֶּה לְחַיֵּי עוֹלָם, וְאֵלֶּה לַחֲרָפוֹת לְדִרְאוֹן עוֹלָם

Acima o verso orginal, e marcado em vermelho está "Adamat afar (Pó de Adamá)", a mesma terra de onde Adão foi formado. Dentro deste passuq (verso) encontrei outro maravilhoso código. Veja abaixo:



Clique na imagem para aumentá-la

A palavra chave (key code) aqui é "Maadim (Marte)" que cruzando-a está o passuq de Dani'El 12 "E muitos dos que dormem no pó de adamá...". Acima da palavra chave e cruzando o verso mencionado está "Ratzon" o universo cujo céus chamam-se "Raqia" e a terra "Adamá".


Terra Amaldiçoada

Estudando com dedicação este mistério sobre Marte, meditando constanmente, através da minha "kavanná (introspecção interior)" penetrei outra assombrosa evidência: Na hierarquia da Árvore das Vidas, o sefirot de guevurá é o 5º a partir de Keter. Este sefirot é o domicílio de "Sama'El" e ai reside o mistério. No Gênesis capítulo 3 verso 17 D´us diz para Adão: "...maldita é adamá por tua causa...". Nós sabemos que adamá é Marte e agora, em razão deste mistério, nos descobrimos porque Marte ficou desolado. Na continuação, o verso diz: "Espinho e abrolho produzirás para ti, e comerás a erva do campo (Gênesis 3:18)".

Para que realmente esta descoberta fosse evidenciada, eu procurei por Marte em hebraico dentro do verso, e como havia desconfiado, o encontrei sendo cruzado pelo mesmo verso 17 de capítulo 3.


Clique na imagem para aumentá-la

No centro, na posição vertical na cor vermelha está "Ma'adim (Marte)" e cruzando-o está "Arurá ha'adamá (maldita é adamá)".


O Primeiro Astronauta

Do Zohar Santo nós extraímos preciosas informações. O Zohar diz: "Quando Adão foi expulso do Jardim do Éden, foi enviado à mais baixa das sete terras, chamada Eretz. Ela está cheia de sombras, pois a luz nunca penetra ali". Este mundo para onde Adão viajou é o planeta Júpiter, conforme podemos verificar na tabela no início deste artigo. Júpiter é um mundo gasoso onde a luz do sol nunca penetra.

O Zohar Sagrado continua nos revelando sobre as viagens de Adão pelo sistema solar: "Quando o shabath tinha passado e Adão se arrependeu, foi transportado um grau acima, à terra seguinte, chamada Adamá. Aqui há alguma luz e as constelações são visíveis. Há também o dia. Os homens que nela habitam são muito altos, pois são os filhos de Adão dos 130 anos em que ele viveu com demônios fêmeas. As vezes eles vem voando à nossa terra e cometem crimes. Sobre esta terra, Adamá, nasceram Cain e Abel. Quando Adão deu nascimento a Set, foi elevado de Adamá à terra mais alta, que é a nossa e se chama Tevel. É a única em que se come pão, e rrepresenta todos os diferentes aspectos das outras seis terras". Bem, desnecessário dizer, mesmo porque já citamos acima, mas para tornar mais evidente repetimos que Adamá é Marte.

O Esconderijo Lunar

De acordo com a narrativa da Torah Bereshit no texto original hebraico, e não de acordo com as corruptas traduções, Adão e sua mulher esconderam-se, após o pecado, "dentro da árvore do jardim (betoch etz ha'gan)". De acordo com a QABALAH esta "árvore" particular é "yesod - o mundo dos mistérios", e de acordo com nossa tabela acima yesod é a Lua. Sim, Adão e sua mulher vieram um tempo na Lua antes de exilarem-se no nosso planeta. Por esta razão, o primeiro mundo em que Adão (a humanidade) deveria pisar no começo da ascensão messiânica e por razões de tikun (correção espiritual) deveria mesmo ser a Lua.

Outros Mundos?

Aparentemente, digo, aparentemente, Adão não residiu nos outros planetas do sistema solar: Mercúrio (Hód), Vênus (Netzach), Saturno (Biná), Urano (Chochmá) e Neptuno (Keter). Mas, eu tenho a desconfiança que, o Jardim do Éden, que fica depois do cinturão de asteróides é mesmo Saturno, pois na Árvore das Vidas Saturno é Biná que é o lugar do Éden superior.

E agora? a que conclusão chegamos com todas estás evidências? Deixo para cada estudante dos mistérios do Sagrado, bendito seja Ele, a interpretação de tudo isto....





Misha´El Yehudá



[1] Zohar: O rabino Yehuda disse: O Sagrado, abençoado seja Ele, QUE É ZEIR ANPIN (A Pequena Face), é chamado o Céu, e desde que o chamam de Céu, todos os firmamentos que estão incluídos neste nome, quando eles são unidos são chamados os Céus e chamados de o “Nome do Sagrado”, abençoado seja Ele. O que são esses firmamentos COMPREENDIDOS CCOMO CÉUS? E ELE RESPONDE, há sete como aprendemos: Vilon (cortina), Raki'a (firmamento), Shechakim (céus), Zevul (morada), Ma'on (templo), Machon (santuário) e Aravot (céu). 

domingo, 20 de março de 2011

A Queda Do Air France AF 447


A Queda do Air France 447


A queda do vôo "AF 447" foi prevista e codificada no filme "Presságio (Knowing)". A previsão e seus códigos podem ser vista na faixa "6" do "DVD (não pirata)". Segue aqui, e decodificação:

"Texto do filme: - Hoje tivemos um dos piores dias da aviação americana recente, quando "4" aviões fizeram pousos forçados em vários estados desde Maine até "Miami". Um deles terminou em desastre, quando o vôo "74" de Pittsburg caiu a 3 km da pista do Aéroporto de logan. As primeiras estimativas indicam "81" mortos".

Preste atenção nos números acima: Se você juntar o "4" ao "74" você encontrará "744" e se você ler ao contrário encontrará "447". O próximo número importante é o "81" que em hebraico é escrito com duas letras que são o "Fei (F)" e o "Alef (A)" formando assim a sigla "AF" ao contrário", e assustadoramente revelando "AF 447" que são a sigla e o prefixo do A320 da AirFrance que caiu no dia 31 de Maio.
Ainda tem Mais: Miame (Maiâmi) é escrito em hebraico com "Mem, yud, alef, mem, yud". As três primeiras letras permutadas formam "May" que é "Maio (Mês)" em ingles, e as duas últimas que sobraram formam a palavra hebraica "Iam" que significa "Mar/Oceano" em hebraico.

Vejam que o universo está cheio de códigos, e como sempre venho compartilhando, D´us fala através dos filmes.

Então, no filme "Knowing (Sabendo/conhecendo)" que em português foi chamado de "Presságio", D´us codificou a queda do vôo "AF 447" da AirFrance. 


Os códigos são: "AF 447 - Maio no Mar". O filme fala que tudo já foi escrito e que não existe acaso no universo.



quinta-feira, 17 de março de 2011

Enoque & A Civilização Maya





Até ontem eu tinha dúvidas sobre o calendário maia e 2012, mas elas foram esmigalhadas por um segredo que descobri sobre Enoque, o patriarca bíblico associado a Metatron.

Ele reuniu pessoas ao redor dele e ensinou-lhes sobre Deus. Um aviso foi enviado para todo lugar, anunciando que quem quisesse conhecer os caminhos secretos de Deus e obter com isto, uma boa vida, deveria vir a Chanoch (Enoque) para receber a instrução. Famintas pela verdade, os povos ansiosamente reuniram ao redor dele e ele ensinou-lhes a sabedoria superior de Deus. Assim, o povo serviu a Deus durante toda a vida de Chanoch. Governantes, príncipes e juízes, todos vieram para ouvi-lo. Ele era amado e respeitado tanto que, três centenas de governantes o proclamaram rei sobre eles. Com persuasão, ele foi capaz de estabelecer relações pacíficas entre todos esses governantes. Ele reinou por 243 anos orientando todas os povos nos caminhos de Deus.

O Seder Hadorot (O Livro das Gerações) diz que Enoque foi o primeiro a escrever um livro sobre astronomia. No Livro de Enoque pseudepigrapha, uma compilação de livros detalhando as experiências, as profecias e os ensinamentos de Enoque, existe um livro intitulado Os cursos dos luminares celestiais. Isto está escrito do capítulo 72 a 82 do Livro de Enoque, e eles são dedicados a descrever a mudança dos tempos, os movimentos do sol ao longo do ano solar, o crescente e minguante da Lua através do mês e do ano lunar.

Os antigos gregos identificaram Enoque com Hermes Trismegisto. Até então, eu possuía a desconfiança de que Imhoteph (Hermes Trismegisto) poderia ter sido Moisés. Agora eu sei a verdade. Os gregos escreveram que Enoque ensinou os filhos dos homens a arte de construir cidades, o conhecimento do Zodíaco, e o curso dos planetas. Também encontramos associação de Enoque com a astronomia e aritmética no Sefer Yuhasin. No Livro dos Jubileus (Sefer Há´Yovelim), Enoque foi o inventor da arte de escrever. Isto também está de acordo com a tradição maçônica. A correlação destas realizações de Enoque e do significado do termo Maya em diferentes culturas é imediatamente evidenciado, e certamente não é uma coincidência.

Foi Enoque, o qual os egípcios chamaram de Saurith, quem construiu a Grande Pirâmide utilizando a sabedoria superior.

Este artigo ainda será expandido e trará a revelação de maravilhosos segredos que elucidarão suas dúvidas sobre a Civilização Maia. Na verdade, suas dúvidas encontrarão o mesmo destino das minhas: A desintegração total...



כג וַיְהִי, כָּל-יְמֵי חֲנוֹךְ, חָמֵשׁ וְשִׁשִּׁים שָׁנָה, וּשְׁלֹשׁ מֵאוֹת שָׁנָה.  כד וַיִּתְהַלֵּךְ חֲנוֹךְ, אֶת-הָאֱלֹהִים; וְאֵינֶנּוּ, כִּי-לָקַח אֹתוֹ אֱלֹהִים

"E foram todos os dias de Enoch trezentos e sessenta e cinco anos. E andou Enoch com os "Elokim" e desapareceu, porque os "Elokim" os tomaram (Gênesis 5: 23 & 24)".


No centro, na posição vertical de cima para baixo temos "Luach Maia (Calendário Maia)" e ao lado direito está "Enoque", codificados no capítulo 5 do Gênesis.