quinta-feira, 5 de outubro de 2017

O CÓDIGO 778


Shoá Atomit - O Código 778 

Continuando as análises do Código 778 e para que, fica claro e estabelecido que não se trata de achismo ou dogma ante ou pós-apocalíptico, aqui forneço evidencias do que recebi dos meus mestres que são os santos anjos e dos rabbis da Academia Celestial. 

Em 26 de abril de 1986, dez anos antes que o jornalista e escritor Michael Drosnin, autor do best seller "The Bible Code (O Código Da Bíblia)", publicado em 1997, descobrisse a Key-Code (Palavra Chave) "Shoá Atomit (Holocausto Atômico), aconteceu à 1h23 da manhã, o desastre nuclear de Chernobyl, na Ucrânia. 

Foi por inspiração divina que eu fui informado da importância da gematria da palavra-chave Shoá Atomit (שואה אטומית) que é 778 e o qual o autor do Código da Bíblia e os posteriores analistas de códigos bíblicos em todo o mundo não perceberam. 

Em 22 de fevereiro de 2011, eu recebi, por reencarnação, uma alma vinda do futuro, do ano 2043 e cujas lembranças de um mundo pós holocausto atômico me conduziram às lágrimas, verdadeiramente ao pranto. Ela me conduziu ao que restou da terra num universo pós apocalíptico me revelando a humanidade empobrecida e doente radioativa no que sobrou no mundo. Esta centelha reencarnada em mim me inspirou à poesia "Silêncio" e para mostrar-lhes que foi inspiração divina, a gematria de "Em 22 de Februar (בכ"ב ב"פברואר)" possui valor igual a 515 que é o mesma da palavra "Shirá (שירה)" que significa "Poesia".

"Silêncio! As vozes se calaram. O único som que ouço é o do vento uivando sobre as pedras, ruínas das antigas construções, monturos assolados pelo tempo que os castiga como um chicote invisível. Mesmo os demônios estão em silencio agora...

Não ouço mais o coaxar dos sapos e nem o som dos grilos que preenchiam a noite com suas canções. O galo se foi. Sua voz foi calada há quarenta e dois anos. O único som agora é a voz síntese do velho hardware, aquela cabeça metálica de olhos vermelhos colocada em cima do velho balcão de mármore.

- Água senhor? – Ela pergunta – O teor de radiação está baixo hoje – terminou. A mesma música entoada uma vez na semana. As vozes? Elas se calaram. Os demônios estão em silencio agora.

Ahh! Eu desejava ouvir a voz do velho rabino, aquele de barbas brancas de longos peyot , quando ele dizia para prestarmos atenção às pequenas vozes, as vozes dos humildes, andarilhos iluminados, centelhas do alfabeto místico, avisando a humanidade que o dia chegaria, quando as vozes se calariam.

Lá no interior, os demônios continuam em silêncio. Suas vozes foram silenciadas pela voz da maldade que plantara residência na câmara esquerda do templo do coração do homem.

O gueto esta frio hoje. Pessoas se reúnem ao redor do fogo aceso dentro do velho barril de petróleo, sangue negro, chamavam-no. Ele não existe mais. As veias estão secas e o sangue já não corre mais...

As manchas brancas cobrem a pele. Deveria ser um bom sinal, mas não é. A lepra voltou devorando a alma dos homens, mulheres e crianças. Nem os animais escaparam. Os contaminados são exilados. Eles os mandam para o vale do esquecimento onde a voz jamais se reerguerá. Eles a usaram maliciosamente. Difamaram com ela. Suas calunias foram lançadas ao vento como as folhas do velho carvalho que ficava na floresta de chaiim. Ele também se calou. O vento já não uiva mais por entre os seus frondosos galhos.

Ahh! Onde está a voz do rabino? Foi calada pelos religiosos dogmáticos. Suas centelhas luminosas já não mais crepitam pelo ar. Mesmo os demônios não falam mais. Calaram-se no interior.

Onde estão as vozes dos poemas e dos poetas? Calaram-se também. Elas causavam comichões nos ouvidos da humanidade. Elas acusaram: - Foram os poderosos, os lideres das nações, em seus palácios decorados com sangue. Sangue dos inocentes. Eles as fizeram calar. Elas causavam comichões aos ouvidos do poder.

O brilho nos cegou os olhos. Foi em 2013. Detonaram a velha arma russa trocada por um pedaço de pão para alimentar as crianças famintas. Todas elas morreram com o calor nuclear.

Silêncio! As vozes se calaram. O único som que ouço é o do vento uivando sobre as pedras, ruínas das antigas construções, monturos assolados pelo tempo que os castiga como um chicote invisível. Mesmo os demônios estão em silencio agora...

Ah! Onde está a voz do velho rabino? Eu desejava ouvi-la agora. Calou-se. Mesmo lá no interior há silencio agora, nem mesmo os demônios sussurram mais...".

Depois, em 2012 eu recebi, também por inspiração divina, o "Poema do Ocaso" o qual publiquei em um curta metragem que gravei:


"Lembranças, fragmentos de pensamentos que tivemos, vidas que vivemos. Este é o nosso purgatório, nosso inferno. Sim, estamos mortos. Nós destruímos a terra e já não mais vivemos e tudo o que nos restou foram as lembranças, fragmentos de pensamentos que tivemos. Estamos mortos agora...".


Desde aquele ano, 2012, que venho, em um esforço espiritual, publicando as revelações sobre o Holocausto Atômico, sobre o qual, recebi, novamente por divina inspiração, o conhecimento do dia, mês e ano no qual ele seria detonado, o dia 16 de julho de 2013, sessenta e oito anos após o primeiro teste atômico em Alamogordo, no Novo México. A data cairia em T'shá be'Av de 5773 (9 de Av de 5773).



16 de Julho de 1945
טז יולי תשה
=778

(In Ha'Kollel)

Holocausto Atômico
שואה אטומית
=778

Este valor, 778 é o mesmo da frase "Av be'5773 (אב ב'תשע״ג) - Julho/agosto de 2013". O karma atômico que o mundo criou nos alcançaria no mesmo dia no qual, 68 anos antes, no dia 16 de Julho de 1945 ele fora criado. Dezesseis de Julho de 2013 foi exatamente o dia 9 de Av de 5773 - O dia mais iluminado do ano, no mês regido pelo sol e tido pela religião judaica como o dia mais negativo do ano e não é o dia que é negativo, mas os pensamento e ações negativas da humanidade que ganham vida em um dia tão iluminado.


Av be'5773
אב ב'תשע״ג
=778

Sabemos que seria a Coréia do Norte que iria deflagar este Holocausto Atômico, pois isto está no mesmo código descoberto por Michael Drosnin mas que ele não viu. A expressão "Coréia mi'Tzafon Alef Milchamá Atomí (מצפון קוריאה: א מלחמה אטומי)" possui a mesma gematria de "Shoá Atomit".


A expressão "Karma ha'atomí yketz ha'olami (קארמה האטומי יקץ העולםי) - O karma atômico será o do mundo" possui gematria igual a 778.



CLIQUE PARA AMPLIAR

Este, acima, é o Código descoberto por Michael Drosnin. Eu encontrei não apenas Coréia do Norte, como também o ano (5773/2013) como a expressão "ki avód tôavedon (
כִּי אָבֹד תֹּאבֵדוּן)" cuja tradução é "pois sereis destruídos" e que é parte de Devarim (Deuteronômio) pereq 8, décimo nono passuq (versículo) cuja gematria é 500. Perguntamos "como, por qual meio serão destruídos?" e ao juntarmos a expressão "be'pitzutz (בפיצוץ)" que traduzido é "na explosão" e cujo valor é 278 e ao somarmos com a gematria do final do verso de Devarim, o resultado é 778.

Como nos salvamos se o destino da humanidade era, sem sombra de dúvida, o Holocausto Atômico e a destruição de quase todo mundo?


A POESIA

Sabemos que as poesias que vieram do futuro, vozes de um clamor pós-apocalíptico e a alma do Rabino Chaim Vital vestida por inúmeras outras centelhas de almas e anjos, moveram o coração do Divino que fez adiar o destino da humanidade e nos permitindo escapar do Holocausto Atômico em 16 de julho de 2013.

Em hebraico, a sentença "ha'Mashiach Hayim Vital ha'tziláh ha'Olam (המשיח חיים ויטאל הצילה העולם) - O Messias Chayim Vital salvou o mundo" resulta, em gematria hebraica, exatamente o mesmo valor de "Shoáh Atomit (Holocausto Atômico)".



המשיח חיים ויטאל הצילה העולם
=778

Voltemos a 1986 é o desastre atômico de Chernobyl. A expressão "Shoá Atomit (שואה אטומית)" sobre a qual já conhecemos o seu valor em gematria que é 778 é a chave que nos permitiu compreender o que viria no futuro e, com a Graça do Sagrado, escaparmos de um desastre atômico mundial. A maior evidência estava escondida no próprio desastre nuclear de Pripyat. Ao calcularmos a expressão "Em Chernobyl na Ucrânia (הבאה בצ'רנוביל באוקראינה)" a gematria é exatamente a mesma de "Shoá Atomit" que é 778 e quando calculamos a data e o ano nos quais o reator nuclear de Chernobyl explodiu, descobrimos que não foi acaso, pois "26 abril 5746 (כו א ה'תשמ"ו)" resulta em gematria igual a 778.


Se o desastre atômico de Chernobyl podia ser evitado, por que então não foi? Faltaram almas para realizar este milagre ou o número dos Lamed Vav Nistarim era menor que 36? Porque a sabedoria divina nos informa que, quando o número dos imortais escondidos é menor do que 36 em uma geração, o mundo corre o risco de ser destruído. A gematria de "18 Imortais Ocultos (חי נסתרים)" é igual a 778!


Nós estamos agora no ano 778 e até este momento parece que conseguimos evitar novamente o Holocausto Atômico, com a ajuda da Sabedoria Divina, pois orações não podem salvar o mundo e sim e unicamente ações espirituais e principalmente mérito adquirido pela prática e estudo da Sabedoria Escondida da Torá: A QABALÁH e o Zôhar!





"Lembranças, fragmentos de pensamentos que tivemos, vidas que vivemos. Este é o nosso purgatório, nosso inferno. Sim, estamos mortos. Nós destruímos a terra e já não mais vivemos e tudo o que nos restou foram as lembranças, fragmentos de pensamentos que tivemos. Estamos mortos agora...".

"Ah! Onde está a voz do velho rabino? Eu desejava ouvi-la agora. Calou-se. Mesmo lá no interior há silencio agora, nem mesmo os demônios sussurram mais..."




Autor
Dipankara Vedas
Bën Mähren Qadësh
Misha'Ël Ha'Levi

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Betel & luz - A Cidade Invisível Interdimensional

A Morada De Deus

“E temeu, e disse: Quão terrível é este lugar! Este não é outro lugar senão a casa de Deus; e esta é a porta dos céus. E chamou o nome daquele lugar Bet-Ël, porém havia sido Luz o nome da cidade, no principio”.
Gênesis 28:17 e 19

Orion é uma constelação do equador celeste. As estrelas que compõem esta constelação podem ter como elemento do seu nome o genitivo "Orionis".

É reconhecida em todo o mundo, por incluir estrelas brilhantes e visíveis de ambos os hemisférios.

A constelação tem a forma de um trapézio formado por quatro estrelas: Betelgeuse (Alpha Orionis) de magnitude aparente 0,50, Rigel (Beta Orionis) de magnitude aparente 0,12, Bellatrix (Gamma Orionis) de magnitude aparente 1,64 e Saiph (Kappa Orionis) de magnitude aparente 2.06.

É uma constelação fácil de ser enxergada pois, dentre as estrelas que a compõem, destaca-se a presença de três, Mintaka (Delta Orionis) de magnitude aparente 2,23, Alnilam (Epsilon Orionis) de magnitude aparente 1,70 e Alnitak (Zeta Orionis) de magnitude aparente 2,03, popularmente conhecidas como "As Três Marias", que formam o cinturão de Órion e estão localizadas no centro da constelação.

Nesta constelação também encontra-se uma das raras nebulosas que podem ser vistas a olho nu, a Nebulosa de Órion que é uma região de intensa formação de estrelas.
As constelações vizinhas são Gemini (Gêmeos), Taurus (Touro), Eridanus, Lepus (Lebre) e Monoceros (Unicórnio).

A principal estrela de Órion (α Orionis) conhecida como Betelgeuse é uma estrela de brilho variável sendo a 10ª ou 12ª estrela mais brilhante no firmamento. É também a segunda estrela mais brilhante na constelação de Orion. Apesar de ter a designação α ("alpha") na Classificação de Bayer, ela não é mais brilhante que Rigel (β Orionis).

Acredita-se que o seu nome é uma contração do árabe يد الجوزا yad al-jawzā, ou "a mão do (guerreiro, homem) do centro". Jauza, o do centro, inicialmente se referia a Gémeos entre os Árabes, mas a algum momento decidiram referir-se a Orion por este nome. Durante a Idade Média o primeiro caracter do nome y (ﻴ, com dois pontos sob ele), foi erroneamente traduzido para o Latim como um b (ﺒ, com um ponto apenas), e Yad al-Jauza tornou-se Bedalgeuze. Então, durante o Renascimento, alguém tentou derivar o nome árabe deste nome corrompido, e decidiu que ele foi escrito originalmente como Bait al-Jauza. Esta pessoa imaginativa então declarou que Bait seria "braço" em Árabe, para surpresa dos árabes em todo o mundo. Um linguista sem nome da Renascença então "corrigiu" a grafia para Betelgeuse, e o termo moderno nasceu. Para que Betelgeuse tivesse o sentido do "braço do centro", o original deveria ser ابط Ibţ (al-Jauza).

Mas o que é Betelgeuse? O nome é na verdade “Bet-Ël Geuse” cujo o significado é “O Centro da Casa de Ël (Deus)”.

Betelgeuse é na verdade o Portão de entrada para a Casa de Deus, o Criador, pois é um berçário estelar, uma fabrica de estrelas e é ali que Deus mora, conforme o sentido literal do texto do Gênesis, mas há outros profundos mistérios.

A matriz acima é a do capítulo 28 do Gênesis e dentro deste texto eu encontrei “Kassil” que é o nome hebreu de Órion codificado e que é cruzado pelo verso 16 que diz “Acordando, pois, Jacó do seu sono, disse: Na verdade o Senhor está neste lugar; e eu não o sabia”.

A Cidade Invisível

"Ele construiu uma cidade e lhe chamou Luz; que é o seu nome até o dia de hoje” 

Juízes, 1, 26

Luz (לוז) é o local bíblico de sonho angelical de Jacob, como mencionado acima, e é também conhecida como a Casa de Deus ea Porta para o céu. Luz é uma cidade impenetrável na antiga terra de Israel, que só pode ser acessada através de uma caverna secreta escondida por uma árvore de avelã. Além disso, é-nos dito que, depois que foi conquistada, outra cidade também chamada Luz foi construída em outro país oriental, uma virtual "Shangri-la", onde a morte não existe e só a verdade pode ser dita.

É tão certo que a entrada desta cidade inter-dimensional é secreta e que não pode ser vista a olhos nus e por qualquer um, que alguns versos no Livro de Shofetim (Juízes), nos dizem: E a casa de José mandou espias a Betel, e foi antes o nome desta cidade Luz. E viram os espias a um homem, que saía da cidade, e lhe disseram: Ora, mostra-nos a entrada da cidade, e usaremos contigo de misericórdia (Juízes 1:23-24)”.

Há um profundo enigma aqui que deixa claro que a cidade é invível aos olhos, porque os espias, que eram dotados de habilidades místicas entre as quais incluía-se levitação e invisibilidade, viram um homem sair dela, mas eles não viram a cidade a ponto de captura-lo e “motivá-lo” a monstrar-lhe a entrada secreta para cidade.

“E, mostrando-lhes ele a entrada da cidade, feriram-na ao fio da espada; porém àquele homem e a toda a sua família deixaram ir”.

Juízes 1:26 

Estaria esta cidade inter-dimensional situada neste mundo, acima dele ou dentro da Constalação de Órion?

PASSAGEM PARA ORION?

Um universo paralelo é uma hipotética realidade separada que coexiste com a nossa própria realidade. Um grupo específico de universos paralelos é chamado um "multiverso", embora este termo também pode ser utilizado para descrever os possíveis universos paralelos que constituem a realidade. Embora os termos "universo paralelo" e "realidade alternativa" são geralmente sinônimos e possam ser intercambiáveis na maioria dos casos, há por vezes uma conotação implícita adicional com o termo "realidade alternativa" que implica que a realidade é uma variante do nosso próprio. O termo "universo paralelo" é mais genérico, sem quaisquer conotações que impliquem uma relação, ou falta de relacionamento, com o nosso próprio universo. Um universo onde as próprias leis da natureza são diferentes - por exemplo, aquele em que não há leis de movimento - seria na contagem geral, como um universo paralelo, mas não uma realidade alternativa. 

A hipótese da mecânica quântica real de universos paralelos é "universos que são separados uns das outras por um único evento quântico.

Seria a Cidade de Luz uma realidade alternativa ou um outro universo escondido na Constelação de Órion. O texto bíblico deixa claro que a cidade era invisível aos olhos e que pessoas ao saírem dela, tornavam-se visíveis.

Dentro do texto hebraico de Juízes temos codificado a ocorrência do nome hebreu de Órion (Cassil) duas vezes.

Este mistério profundo aqui revelado me fez recordar o filme A Múmia, no qual a cidade de Hamunaptra é invisível aos olhos e só pode ser vista pelos que sabiam o segredo.

Esta claro agora que, dentro da Sabedoria Escondida da Torah há mistérios praticamente insondáveis e de aterrorizar a alma e por esta razão foram escondidos.



Compre aqui o livro 'Os Filhos Das Estrelas'